Fotos externas : Adriana Raynal e Juracy Vilas-Bôas
                                                             Texto e fotos subaquáticas : Juracy Vilas-Bôas



Antes mesmo de embarcarmos a ansiedade já nos dominava por completo. Era a primeira vez que Adriana ia a Fernando de Noronha, mas o fato de ser a minha terceira viagem para lá não me deixava menos eufórico que ela.

O arquipélago de Fernando de Noronha, composto por uma ilha principal (única permitida a presença de visitantes) e 20 outras ilhas, ilhotas ou lajedos, fica a 340 Km de Natal e 545 Km de Recife e tem sua formação de origem vulcânica. Em 1988 foi criado o Parque Nacional Marinho que possui 112,7 Km2 sendo 26 Km2 referente às ilhas e o restante da área ao mar que as circunda. A pesquisa científica e a educação ambiental são algumas das atividades do parque, além da preservação ambiental, é claro.

A Esmeralda do Atlântico, como é conhecida a ilha devido a coloração exuberante de suas águas, é cenário de uma das mais tradicionais regatas do Brasil: a famosa regata Recife – Fernando de Noronha que acontece todos os anos no mês de setembro.

Fernando de Noronha possui diversas atividades terrestres e marítimas capaz de deixar até a mais exigente pessoa plenamente satisfeita.

Dotada de uma tranqüilidade ímpar, uma das maiores dificuldades que o turista pode enfrentar é escolher qual é a mais bonita entre as inúmeras praias da ilha. Uma magnífica coleção de praias de beleza singular está dividida pelos seus dois lados: o mar de dentro, como é conhecido o lado da ilha voltado para o continente e o mar de fora, que está votado para a África. Suas águas mornas e límpidas são completadas por praias de areia claras e finas ou exuberantes rochas. Quase sempre as praias estão cercadas por falésias esculpidas pelo tempo que dão o clima de mistério ao local.

 

As diversas e sedutoras praias que a compõe proporcionam a prática de um dos esportes mais populares de Noronha: o mergulho livre. Seja ele “snorkeling” ou “apnéia”, o mergulho livre pode ser realizado nos dois lados da ilha. No entanto o mar de dentro reserva os melhores “points”.