A Mergulhe entrevistou Caio Borghoff, 28 anos, mergulhador autônomo desde 1988,  fotógrafo sub desde 1996.

Nascido em São Paulo em 28 de junho de 1972, começou a fotografar ao final do curso de biologia (UFSCar) em 1995. Logo depois de formado passou uma temporada de 5 meses estagiando no Projeto Baleia Jubarte em Abrolhos (BA), onde desenvolveu o gosto pela fotografia científica. Depois de fotografar as baleias passou para a fotografia submarina, unindo então duas paixões - a foto e o mergulho. Aos poucos foi transformando a fotografia sub em sua atividade principal, o que o levou ao Atol das Rocas (RN) e Fernando de Noronha (PE) em 97, para realização da sua primeira reportagem, na revista Mergulho. No ano seguinte, após concluir o curso de instrutor PADI, retornou à Noronha para trabalhar na operadora e produtora de imagens Águas Claras. Seu trabalho fotográfico tem sido direcionado para os ecossistemas marinhos brasileiros, especialmente em áreas de proteção ambiental como Parques e Reservas Biológicas. Fotografa e escreve para revistas de natureza, fotografia e turismo em geral, como National Geographic, Photo&Camera, Terra, Espírito de Aventura, Viagem e Turismo, Scuba e Mergulho.

Golfinho rotador (Stenella longirostris)
Fernando de Noronha (PE) Câmera: Nikon

N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon
28-80mm Flash: Sem Flash Filme: Fujicolor Superia 200
Cursos:

Intro to Cave Diver - IANTD 2000; Underwater Photography Instructor - PADI 1999; Dry Suit Diver - PADI 1999; Oxigen Provider - DAN 1999; Open Water Scuba Instructor - PADI 1998; Divemaster - PADI 1998; EANx Diver - PADI 1998; Trimix Diver - IANTD 1998; Intermediate Trimix Diver - IANTD 1998; EANx Overhead Environment Diver - IANTD 1998; Technical EANx Diver - IANTD 1998; Advanced EANx Diver - IANTD 1998; Advanced Deep Air Diver - IANTD 1998; Deep Air Diver - IANTD 1998; EANx Gas Blender IANTD 1998; Trimix Gas Blender - IANTD 1998; Rescue Diver - PADI 1997; Advanced Open Water Diver - PADI 1996; Underwater Photography Diver - PADI 1996; Bacharel em Ciências Biológicas - UFSCar 1995; Licenciado em Ciências Biológicas - UFSCar 1995; Mergulhador Autônomo Básico - ABMA 1988; Skin Diver - Brasub - 1986

Prêmios:

3 Lugar Categoria Macro/Profissional - Concurso "Verão 97" de fotografia sub Revista Mergulho 2 Lugar Categoria Profissional - I Competição de Foto Sub de Búzios, Set/97. 1 Lugar Categoria Profissional - II Competição de Foto Sub de Búzios, maio/98. 1 Lugar Categoria Profissional - I Circuito Brasileiro de Foto Sub - I Etapa - Ilha Bela (SP) 12/98. 1 Lugar Categoria Profissional - I Circuito Brasileiro de Foto Sub - II Etapa - Guarapari (ES) 02/99 1 Lugar Modalidade Criativa e Destaque Categoria Profissional Geral - I Circuito Brasileiro de Foto Sub - III Etapa - Florianópolis (SC) 05/99

    

- Sabemos que você é biólogo. Você concilia o seu trabalho como fotógrafo com o de biólogo? De que forma?

Eu me formei em biologia e fiz especialização em zoologia marinha, mas desde 97 que trabalho exclusivamente com fotografia. Os conhecimentos que adquiri como biólogo hoje me servem como ferramenta nos trabalhos fotográficos e nas reportagens. Fazendo matérias sobre os ecossistemas marinhos eu permaneço em contato com a biologia e com projetos de pesquisa, mas não tenho pretensão nenhuma de voltar à trabalhar diretamente nessa área. Adoro fotografar e espero continuar trabalhando como fotógrafo de natureza o resto da minha vida.

Poliqueta árvore-de-natal (Spirobranchus giganteus) - Fernando de Noronha (PE) Câmera: Nikon N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon 60mm micro Flash: Ikelite 100A Filme: Fujichrome Velvia
Medusa (Aurelia aurita)
Guarapari(ES) Câmera: Nikon N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon 20mm Flash: Ikelite 100A Filme: Fujichrome Provia 100

- Você considera Fernando de Noronha como sua "casa"? Também somos loucos pelo arquipélago. Qual o melhor point de Noronha em sua opinião?

Noronha é sem dúvida um lugar muito bom para fotografar especialmente nas Pedras Secas, que na minha opinião é o melhor point do arquipélago. O Cabeço da Sapata também é fantástico, mas por incrível que pareça só mergulhei lá uma vez, mesmo morando na ilha desde 98. Ainda não defini bem uma relação de "casa" com Noronha, já que costumo viajar bastante e por longos períodos. Acho que por enquanto minha "casa" mesmo é uma mochila.

- Esse point é melhor para fotografar ou para relaxar e curtir a beleza?

Devo confessar que todas as vezes que mergulhei nas Pedras Secas sem minha câmera observava aquele visual maravilhoso e ficava imaginando as fotografias que poderia criar. Sinceramente eu me sinto um pouco frustrado quando isso acontece, pois o que realmente me faz relaxar é a fotografia. Em um mergulho que fiz lá, com o fotógrafo Donald Tipton, encontrei uma saída para não me distanciar da criação fotográfica assumindo o papel de modelo sub, já que minha câmera estava com problemas técnicos.

Tartaruga-de-pente (Eretmochelis imbricata) - Fernando de Noronha (PE) Câmera: Nikon N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon 20mm Flash: Ikelite 100A Filme: Fujichrome Provia 100


- E o arquipélago de Abrolhos onde você trabalhou após se formar?

Abrolhos é um lugar maravilhoso. Fiz muitas amizades por lá e só tenho boas recordações do tempo em que estagiei no Projeto Baleia Jubarte. Foi lá que meu futuro como fotógrafo subaquático se definiu. Pretendo voltar aos Abrolhos em breve para rever os amigos e realizar um trabalho fotográfico, afinal de contas a quantidade de fauna que se vê nos mergulhos é impressionante. Um dos pontos de mergulho que mais aprecio em Abrolhos é o Parcel dos Abrolhos, por causa da variedade e abundância de corais. Pra relaxar, não há nada como mergulhar no azul com a trilha sonora das baleias jubarte.

Lagostim (Enoplometopus ocidentalis)
Búzios (RJ) Câmera: Nikon N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon 60mm micro Flash: Ikelite 100A Filme: Ektachrome 100

 

- Qual sua opinião sobre as limpezas dos mares que são praticados por algumas escolas e operadoras em todo Brasil e no mundo no dia "internacional de limpeza"?

É uma excelente forma de ajudar a conscientizar população da quantidade de lixo que se joga nos mares. Não sei se já é feito isso, mas as operadoras de mergulho poderiam divulgar esse trabalho nas escolas de primeiro e segundo graus de seus bairros. Assim estariam contribuindo ainda mais para educar nosso povo, que infelizmente pouco se preocupa com as questões relacionadas ao lixo. Um exemplo disso foi um programa de educação ambiental em que participei este ano, com escolas paulistanas de altíssimo nível. Eu me decepcionei com a falta de cuidado com lixo entre os alunos. Muitos deles pouco se importam em deixar um monte de sujeira pelas trilhas ecológicas.

Naonda (Modelo: Marta Granville)
Fernando de Noronha (PE) Câmera: Nikon N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon 20mm Flash: Ikelite 100A Filme: Fujicolor Pro Value 200

- Sabemos que é difícil sobreviver de fotografia no Brasil. E de fotografia-sub, é a mesma situação?

É bem pior. No mercado de foto sub brasileiro acontece um problema sério, que é a falta de pagamento pelas imagens. Muitos fotógrafos amadores ou profissionais em início de carreira publicam suas imagens sem cobrar nada,
apenas pelo prazer de ver suas fotos em uma revista ou para divulgar o seu nome. Eles não se dão conta de que se a foto tem qualidade para ser publicada em uma revista, ela merece os devidos "royalties". Isso criou um mercado viciado nesse esquema, onde somente os fotógrafos saem perdendo. Além da perda financeira, o trabalho acaba não sendo respeitado como merece e os resultados são indescritíveis. Slides voltam de editoras literalmente destruídos, quando não são extraviados, e os pagamentos chegam a atrasar até 7 meses. Além disso muitas fotos são publicadas sem crédito ou com o crédito de outro fotógrafo como já me ocorreu diversas vezes, inclusive em uma matéria que divulgou amplamente meu nome nas fotografias sem que eu ao menos tivesse feito uma única foto publicada na matéria. A melhor maneira de evitar esses problemas é fazendo um contrato de consignação com a editora, cobrando multa de, no mínimo, R$ 2.500,00 para cada cromo extraviado ou danificado, e procurando sempre enviar duplicatas ao invés de originais.

Estrela-do-mar
Florianópolis(SC) Câmera: Nikon N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon 60mm micro Flash: Ikelite 100A c/ celofane roxo Filme: Fujichrome Provia 100

- E em outros lugares do mundo? É mais fácil, ou é igual ao nosso país?

Acho que a diferença está no reconhecimento do trabalho. No mês passado fiz umas imagens para a revista francesa Le Figaro e numa conversa com o fotógrafo deles eu cheguei a ficar com vergonha de ter que dizer o valor dos "royalties" que geralmente se paga por uma imagem publicada em nosso país. Felizmente nosso trabalho vem ganhando mais respeito com chegada de publicações de peso como a National Geographic Brasil e a Photo&Camera, que deixam bem claro a valorização da imagem dentro da sua proposta de trabalho, tanto no aspecto financeiro quanto em relação à qualidade gráfica e respeito pelo fotógrafo.

Ofiúro - Fernando de Noronha (PE) Câmera: Nikon N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon 60mm micro Flash: Flash 100A Filme: Fujichrome Velvia

O Barco (Modelo: Isabela)
Florianópolis(SC) Câmera: Nikon N90s/Caixa Estanque Ikelite Lente: Nikon 20mm Flash: Ikelite 100A Filme: Fujichrome Provia 100

- Você só trabalha com fotos artísticas ou pinta algum serviço mais técnico?

Sempre tem trabalhos específicos em que eu preciso atender a necessidade do cliente mais técnica do que artisticamente, mas eu sempre tento dar uma pincelada da minha interpretação artística em cada situação. Outro dia mesmo um cliente me solicitou uma série de fotos para confecção de um folder e a foto que mais lhe agradou foi uma criação que ele nem havia pensado em fazer. Eu também curti muito desde a concepção da foto até a produção final.

- E nú artístico-sub, nunca surgiu um convite? Quem sabe um dia na Playboy.....

Já surgiu o assunto com uma revista, mas nunca uma proposta concreta. Com a produção da Playboy certamente teria um resultado bem bonito.


Caio Borghoff
Tel/Fax: (011) 9588-6642
E-mail: biofoto@caioborghoff.fot.br
Home-page:
www.caioborghoff.fot.br